CCXP 2017

CCXP 2017
Um Click no Banner e vá direto para o Site do Evento

sábado, 31 de dezembro de 2016

RETROSPECTIVA BLOG HOT KENGAS - ENTREVISTA COM SERGIO GOLDVARG ÚNICO SUL AMERICANO NO HALL OF FAME DIECAST EUA


ENTREVISTA COM SERGIO GOLDVARG

COLECIONADOR, ARQUITETO, JORNALISTA, DESIGNER DIECAST, INDUSTRIAL, EMPRESARIO, FOMENTADOR DE COLECIONISMO DIECAST.

Hoje temos a honra de entrevistar Sergio Goldvarg, Argentino de origem, nascido na Capital Buenos Aires, Casado com Mariana, e pai de três filhos, Kevin (22), Katia (20) e Karen (11), e hoje radicado nos Estados Unidos,  a primeira personalidade da América do Sul a ser indicado e fazer parte do Hall Of Fame Diecast, o que aconteceu neste ano de 2014.

Um acontecimento muito importante se notarmos que a maioria dos indicados fazem parte do Eixo Estados Unidos, México e Canada...

Conhecendo a sua biografia fica fácil saber porque ele foi indicado, mas difícil saber porque demorou tanto, pois depois desta entrevista vocês vão conhece-lo melhor, e chegaram a conclusão que existem poucas pessoas no mundo que já puderam fazer o que ele fez em sua trajetória até hoje, Acompanhem a Entrevista...


01 – Quando começou a sua paixão pelas miniatures diecast? Qual foi a sua primeira miniature? Qual a marca?

R.: Eu comecei a colecionar, como, principalmente, a maioria de nós, o lendário Matchbox (os reais, feitos na Inglaterra!) , Mas quando eu tinha seis anos , meus pais me deram para no meu aniversário um Jaguar Tipo D da Solido na escala 1/43 , e que foi o início de tudo . Eu fiquei espantado com o tamanho desse modelo (que era enorme para as mãos de um menino de seis anos de idade). Desde então, nunca mais parei de colecionar. Desde aquele momento, eu decidi que 1/43 era a escala a ser seguida. Eu acho que, 50 anos depois, eu não estava enganado.

02 – Você sabe dizer como era, e como é hoje o colecionismo na América do Sul?

R.:  Bem, eu não sei se é difícil ser um colecionador no Brasil, mas na Argentina as regras do governo realmente  nunca são claras na Argentina , eles mudam quase que em uma base diária (como, por exemplo, agora com Cristina Kirschner ) . Um dia, a importação de bens está aberta, no dia seguinte está fechada. Em seguida, os deveres podem mudar, seguindo pela mudança diária no valor da moeda estrangeira, o que significa que os modelos importados alteram seus preços a cada dia , é muito louco , não só para um colecionador , mas para um cidadão que quer regras claras por parte do governo e não é capaz para encontrá-los .

Mas a pior parte e o grande esforço, foi quando eu decidi fabricar minha própria gama de modelos de metal branco em 1/ 43, a "Coleção Goldvarg " . Não havia história de fabricação, e não tinha máquinas, por isso tive que começar do zero, mesmo com a concepção e construção, não só as ferramentas, mas também o equipamento completo necessário.

Levei quase um ano para ter a máquina pronta, e em seguida, outra questão era aprender como fazer os moldes de borracha, o processo de centrifugação, a mistura de fundição de metal direta, seus componentes e temperaturas adequadas. Foi muito difícil e cada dia de atraso estava custando dinheiro.

Outro problema era lidar com as regras aduaneiras. As pessoas que trabalham lá, pensam curto, pensam que só porque tem quatro rodas é um brinquedo, e o preço de exportação ficou cara. Eles não podiam entender que eu estava falando de um modelo de metal branco em escala, feito à mão para colecionadores exigente!!


03 – Quando você assumiu a sua condição de Colecionador? E se foi fácil seguir um caminho, focando em segmentos definidos de miniatures diecast em marcas e escalas?

R.: Quando recebi o Jaguar Solido 1/43, eu decidi não brincar com ele, e manter a caixa original, que eu ainda tenho hoje. Então, eu diria que começou em outubro de 1962. Claro que, como o Solido estava em escala 1/43, então eu decidi colecionar apenas esse tamanho. Mas ao longo dos anos, eu também comecei a comprar alguns modelos na escala 1/18. Com alguns ônibus e caminhões, há muito boas marcas lá fora...

04 – Quantas miniaturas você tem em sua coleção atualmente? E como são acondicionadas?

R.: Agora eu tenho mais de 14 mil, principalmente na escala 1/43 e cerca de 2.000 na escala 1/18. A maioria deles estão em vitrines em casa e no meu restaurante temático, chamado de " Waffleworks " , localizada na 3265 Hollywood Boulevard, Hollywood , Florida. Alguns deles eu mantenho em suas caixas originais e de vez em quando eu exponho nas vitrines, assim eu sou capaz de ver todos eles.

05 – Você consegue explicar, transforme em palavras o sentimento que leva uma pessoa a colecionar?

R.: Qualquer colecionador tem duas características, que são Obsessão e posse, não importa que tipo de coisa você coleciona ( selos, miniaturas, miniaturas de estrada de ferro , moedas, etc.)

Quando você está a procura de uma miniatura de carro e, finalmente, você tem em suas mãos , o sentimento só pode ser compreendido por outro colecionador ...


06 – De onde surgiu a ideia de se tornar um jornalista especializado em miniatures de carros diecast? Você sabia que seria o primeiro a abordar este tema em toda a América do Sul?

R.: Em 1980 eu estava comprando revistas de automobilismo da Europa, só porque eles  traziam dentro de uma ou duas páginas relacionadas a miniaturas de carros. Eu estava sempre esperava por elas, não havia revistas sul-americana que e eu estava ciente, que escreviam sobre assuntos relacionados a colecionadores.

Então eu disse: "Por que não uma revista da América do Sul " . Eu decidi ir para os escritórios da revista de automobilismo conhecido "CORSA", que era impressa em Buenos Aires e eu perguntei para o diretor. Naquele momento, o diretor era um verdadeiro cavalheiro chamado Carlos Fresco.

Quando fui ao seu escritório particular, perguntei-lhe: " Por que você não tem uma seção referente a miniaturas de carros? " . Sua resposta foi simples e direta: "porque não conheço ninguém com o conhecimento para escrever semanalmente sobre esse assunto".

Minha resposta foi quase imediata: "Bem, aqui você tem um na sua frente" Então, você começa hoje! Ele respondeu imediatamente. Essa foi a história por trás do meu início como jornalista de miniaturas de carros, e que mais tarde foi expandido para carros de corrida, carros históricos, etc...

07 – Você acha que é o principal fomentador do colecionismo diecast de carros em miniatures na Argentina?

R.: Eu tenho certeza que eu ajudei muito. Especialmente porque comecei a fazer exposições com a minha coleção em muitos lugares, como o Museu da Renault, o Automóvel Clube Argentino, Feira Agropecuária, Exposições Industriais, etc... eu fiquei surpreso com os comentários de pessoas . Muitos deles me disseram que eu era a pessoa que os inspirou a começar a colecionar miniaturas diecast de carros.

08 – A Sua Coleção foi reconhecida mundialmente pelo Guinness Book, você pode nos contar como foi?

R.: Na década de noventa, eu era uma figura pública relacionada a carros e Motor Sports ( eu era secretário da corrida de Fórmula 1 Marlboro Grand Prix na Argentina), de modo que a abordagem pelo Guinness foi fácil, como eu tinha muitas aparições em TV e revistas , por causa da minha coleção. Eu não sei quantas pessoas teriam sido citadas duas vezes no Livro Guinness dos recordes, mas estive em 2005 e 2009. Estou muito orgulhoso disso.


09 – Além de Colecionador, você é uma espécie de empreendedor dentro do colecionismo de miniatures diecast de carros, é ao mesmo tempo Criador, Fundador e Construtor da primeira fábrica deste segmento na América do Sul, nos conte como foi esta aventura? O que o levou a tomar esta iniciativa?

R.: Como eu disse antes, não foi nada fácil, para começar um modelo de metal branco indústria automóvel na Argentina (acho que nada é fácil lá...), mas a ideia surgiu quando eu estava à procura de miniaturas de carros americanos dos anos cinquenta na escala 1/43, que nunca foram fabricados, como o 1957 Oldsmobile Starfire, o 1952 Kaiser Henry J, o 1956 Mercury Montclair, etc. Então, eu disse: "por que não fabricar para a minha coleção e também para os colecionadores que estão à procura no mundo por estes modelos e que não estão disponíveis no momento? E foi assim que tudo começou, é por isso que nas caixas Goldvarg Coleção e brochuras diz: " A partir de um colecionar, para os colecionadores ".

10 – Como é ter uma coleção que leva o seu nome? E mais ainda, como é ter o reconhecimento por conseguir produzir peças tão bem acabadas e originais em um mercado tão competitivo e exigente como nos Estados Unidos? E sem ter nenhuma experiência anterior nesta área? Foi sorte? Qual é a sua definição para este fato?

R.: Eu não acho que tem sorte em tudo, eu posso dizer que foi um grande esforço e paixão por miniaturas de carros. Mas, foi um sentimento orgulhoso de ver nas caixas e na placa de base do nome "Goldvarg". Eu tenho o "001" de cada um dos modelos já lançados e quando os vejo, eu ainda tenho a sensação de orgulho que eu tinha há 25 anos atrás...

11 – Me conte a história da primeira miniature que você produziu? Como e quando surgiu a primeira encomenda para produção de um modelo? E Quais foram os modelos produzidos em escala?

R.: O primeiro modelo de fabricação foi o Oldsmobile Starfire de 1957, só porque eu adorava o carro. Quando eu terminei o primeiro protótipo (que ainda tenho em minha coleção), eu decidi comprar um bilhete de avião e voar direto para os EUA. O primeiro lugar que eu visitei com meu Oldsmobile foi Auto Fanatics em Sherman Oaks, Califórnia. Foi um momento incrível, porque o lugar estava cheio de colecionadores naquele momento, e quando eu tirei o modelo fora da caixa pela primeira vez, todos os colecionadores queriam comprá-lo de mim, e não importava o preço que eu poderia pedir por ele! !

Mesmo o proprietário queria comprar uma centena de modelos de imediato, e era apenas uma loja de varejo, e não um atacadista. Assim, o futuro parecia brilhante.

Então eu decidi começar a produzir vários modelos ao mesmo tempo: o Olds, um Chevrolet Stylemaster quatro portas 1946, o 1951 Chrysler imperial Limousine e o Lincoln Premiere 1956. Os protótipos foram exatamente como o modelo de produção. Havia apenas uma diferença, no Oldsmobile Starfire 1957: os assentos eram reunidos em vez de pintado. Parecia muito realista, mas logo percebi que se ele iria ficar na prateleira de um colecionador, a poeira iria arruinar a visão do assento. Assim, a partir do segundo Oldsmobile, todos eles vem com os assentos pintados.

12 – Ficamos sabendo que você também se envolveu na organização de corridas de fórmula, é verdade? Pode nos contar como foi esta incursão no mundo do Automobilismo de Corridas?

R.: Trabalhando na revista Corsa, as portas se abriram para o mundo do carro real, que é o que eu gosto. Pude conhecer pessoas incríveis, como O Engenheiro Rafael Serra, que era, naquele momento, o diretor da FIA ( Federação Internacional de L´Automobile) na Argentina. Ele era o diretor da corrida e ele sabia sobre o meu conhecimento e envolvimento no automobilismo, então ele me pediu para fazer parte da organização, e nós fizemos isso. Foram momentos maravilhosos, passar cinco dias juntos com todos os grandes pilotos da época, como Michael Schumacher, Rubens Barrichello, Damon Hill, Jacques Villeneuve, Giancarlo Fisichella, Mika Hakkinen, David Coulthard, Eddie Irvine, Jean Alesi, etc.. todos  grandes nomes do automobilismo mundial.


13 – Voltando a sua coleção, alguém com uma coleção tão grande, diversificada e valiosa, deve ter sido convidado várias vezes para expor as suas preciosidades, Pode nos contar como isso aconteceu, aonde vocês expôs, e qual a repercussão?

R.: Eu fiz muitos shows, como a exposição no Museu Renault, o Automóvel Clube Argentino , etc... Eles foram todos um grande sucesso, mas também um grande esforço para colocar cada modelo na caixa, o transporte para o show, abrir de novo, colocar o nome em um cartão para que as pessoas fossem capaz de ler a história do carro, etc... 

E eu não queria ninguém para me ajudar, eu quero fazer tudo sozinho. Mas os resultados foram surpreendentes, como toda a mídia estava lá, e foi visitado por mais pessoas do que o esperado. Principalmente pude perceber facilmente que muitos pais estavam levando seus filhos como uma desculpa, mas eram os próprios pais que queriam ver a exposição...

14 – Você é Argentino de origem, mas há algum tempo esta radicado nos Estados Unidos, O que o levou a deixar o seu pais natal,  mudando radicalmente toda a sua vida e de sua família? O que você encontrou nos Estados Unidos, que fez com que você toma-se esta decisão?

R.: em 2001 a Argentina estava em uma confusão política (como de costume), juntamente com as ruas inseguras e, infelizmente, pensando no futuro dos meus filhos, com minha esposa, decidimos mudar para Miami. É muito difícil deixar o seu país, seus parentes, família, amigos, lugares que você visitou, a sua cultura, e mudar toda a sua vida. Mas estamos felizes com a nossa decisão, nos últimos 10 anos, as coisas não mudaram em tudo no meu país e da corrupção instalada no governo, que não há regras, na rua para que não matem você, só porque a tua você esta feliz. Eu amo meu país e eu sempre disse que minha casa é como uma embaixada argentina nos EUA, por causa de todas as recordações. Meu coração está em Buenos Aires.

15 – Também ficamos sabendo que você tem uma exposição permanente de peças de sua coleção em um restaurante nos EUA, a ideia de compartilhar a sua paixão com outras pessoas é sensacional, Você criou um restaurante temático? Pode nos contar como surgiu esta ideia? Esta exposição conta só com miniatures suas, ou as vezes existem alguns colecionadores convidados que expõe também neste mesmo local?

R.: A ideia das miniaturas de carros na escala tema, o restaurante foi o primeiro projeto que eu tinha quando nos mudamos, e eu fiz isso. Nos EUA, tudo é corporativo e em todas as compras que você tem as mesmas lojas, em todos os cantos você tem o mesmo posto de gasolina , o mesmo Walgreens, o mesmo Mc Donald , meio chato. Então eu disse para mim mesmo: "Eu tenho que fazer algo diferente, algo que os clientes vão se lembrar " Agora eu estou no meu  12 º ano com o Waffleworks restaurante. A exposição é só com as minhas miniaturas e para o Halloween nós temos uma grande festa, em que eu trago meu Batmóvel em tamanho real e eu uso o meu traje 1966 Batman TV Show, e todos os meus funcionários ficam vestidos como Mulher-Gato, o Coringa, etc... É muito divertido !


Eu também organizei exposições de carros ao longo do tempo no estacionamento do restaurante.

16 – Você foi convidado para assessorar uma empresa fabricante de miniaturas na escala 1/18 no desenvolvimento de novos produtos, Qual é esta empresa? Quais foram os projetos que você ajudou a desenvolver? Nos conte como é participar da criação de um modelo, ainda mais se levarmos em conta que antes de mais nada você é um colecionador? Você consegue separar esta condição, ou acha que é um diferencial e até o ajuda nas tomadas de decisão?

R.: Eu acho que ser um colecionador e ser um conselheiro para um fabricante de miniaturas de carros é uma habilidade, um conhecimento que outro conselheiro, mesmo sendo um excelente engenheiro, não pode ter. Você está em ambos os lados da história, então você realmente sabe o que os colecionadores estão precisando e querendo comprar. Não é uma coincidência que para Sunstar, por exemplo, no novo Platinum 1/18 série, eu disse-lhes para fazer o Mercury Montclair 1956, The Star Chief Pontiac 1955, The Kaiser Henry J, O Pontiac Bonneville 1959, Plymouth Fúria de 1960, Nash Ouro Airflyte 1952 4 portas, todos os modelos que eu já havia desenvolvido para a minha própria Coleção Goldvarg, sendo a única diferença que os meus são na escala 1/43. Mesmo com o novo Sunstar Ford 1958, Mercury Park Lane de 1960, etc... são todos os modelos que já tinha estudado para minha Linha Goldvarg , então eu sabia que os colecionadores estavam procurando esses modelos. Também fiz as decorações das carrocerias para muitos da Linha Mini Buby.

17 – Nos conte a história do seu modelo favorito, e como foi ser o proprietário do único modelo oficial em tamanho real registrado fora dos EUA, e como foi a repercussão dentro do seu pais natal, A Argentina? Como é realizar um sonho desta dimensão?

R.: O meu carro favorito é o 1966 Batmóvel, usado na série de TV estrelada por Adam West e Burt Ward (o verdadeiro Batman e Robin!). Tive a sorte de encontrar um há quase 20 anos e comprá-lo. Foi o único Batmóvel mundial registrado fora dos Estados Unidos naquela época e eu tive a sorte de dirigi-lo nas ruas de Buenos Aires. Quando a minha família que decidiu se mudar para Miami, então trouxemos o Batmóvel conosco de volta ao seu país de origem, como ele era um membro da nossa família!
Sendo o proprietário de tal parte da história da Cultura Pop é um sonho que se tornou realidade e até hoje, todos os dias quando me levanto de manhã, eu vou para a garagem vê-lo, e ainda não consigo acreditar!


18 – Você participa de eventos de caridade, onde são arrecadados fundos para instituições beneficentes, Como é saber que fazendo aquilo que gosta, você ainda pode ajudar o próximo?

R.: Com o Batmóvel eu faço eventos de caridade, especialmente com a cidade de Hollywood, o Departamento de Polícia e do Escritório do Sheriff de Broward County, muitas vezes usando o meu  traje TV 1966 Batman Show.


É tão incrível ver o sorriso no rosto de uma criança que está deitada na cama em um hospital ou para o evento "Toys for Tots", quando damos brinquedos para as crianças que vivem em um ambiente familiar em que não há espaço para comprar brinquedos, quando eles não têm dinheiro suficiente nem para comprar a comida e, infelizmente, isso acontece muito aqui nos Estados Unidos.

19 – Você coleciona carros em tamanho real? Quantos você tem e quais são os modelos? Você segue algum foco ou segmento também nos carros 1/1?

R.: Eu tenho alguns carros 1/1, especialmente a partir do final dos anos cinquenta e sessenta. Como eu lhe disse, o 1966 Batmóvel é o meu favorito, mas eu também tenho um Volvo P -1800 1962 ( você se lembra do filme estrelado por Roger Moore? ), Um Alfa Romeo 2600 Sprint Bertone 1963. Este carro foi o único a sobreviver de quatro que foram importados pelo funcionário da marca Alfa Romeo, em setembro do mesmo ano para correr o "VII Grande Prémio de Super Naftas YPF ". Eu tenho toda a história e documentos originais, que garantem que o meu era o carro que correu naquele evento.


Eu também tenho um BMW Isetta 1958 (minha esposa me pediu para comprar para ela para seu aniversário o Compact BMW, e bem... eu vim para a porta com a Isetta ...), também um dos originais 1964 Mini, um Renault Gordini , um pouco NSU Prinz 1958, e mais um par.

20 – Qual é a sua opinião sobre o colecionismo de miniatures diecast de carros na atualidade? Qual é o mundo perfeito dentro do colecionismo na sua opinião? O que você conhece do colecionismo fora dos EUA?

R.: A Produção de miniaturas de carros colecionáveis foi ferida , como em outros hobbies, pela crise econômica de 2008 e 2011. Também não há tantos novos colecionadores, devido à popularidade de Nintendos , X -Box, etc... Muitos fabricantes e varejistas estão lutando com a economia de hoje e colecionadores têm a escolha entre comprar um modelo novo ou comprar comida, reformar uma casa, etc... Essa é uma das principais razões por que as fábricas querem atrair colecionadores ricos com high-end e modelos mais caros, com aqueles que são os colecionadores que não sofreram a crise em seus bolsos. Isso está acontecendo em todo o mundo, como, na minha opinião, em muitos países, é falso que a recessão está terminado.

21 – Você participa de Encontros e Convenções de colecionadores nos EUA? Já participou de algum fora dos EUA? Qual é a sua opinião sobre estes eventos?

R.: Eu geralmente quero compartilhar o fim de semana com a minha família, então eu não vou muito a convenções e reuniões. Pode ser, se estiver visitando um país em nossas férias, então sim, eu vou para esses eventos com eles, mas eu sempre gosto de partilhar a minha paixão com minha família.

Mas este tipo de eventos são necessários para atrair novos colecionadores para o nosso mundo. Aqui nos EUA, infelizmente, tudo é sobre Hot Wheels, como os americanos não descobriram ainda o atrativo e beleza de se colecionar miniaturas de carros na escala 1/43. Eu diria que a outra escala popular nos EUA é a 1 /24. Quando você vai a uma corrida da NASCAR, os únicos modelos que você vai encontrar nas lojas dos fornecedores serão na escala 1/64 e 1/24.

22 – Você já ouviu falar da COLECON BRASIL, Convenção independente de colecionadores de miniatures diecast de carros realizada no Brasil? Participaria de uma de suas edições, Como Convidado Especial Palestrante?

R.: Sim, eu ouvi falar muito sobre a Colecon Brasil, que é a maior convenção de miniaturas diecast de carros da América do sul, adoraria estar lá algum dia. Seria fantástico para compartilhar minha paixão com meus amigos brasileiros.


23 – No Ano de 2014, você recebeu uma das maiores honrarias, senão a maior, sendo indicado e entrando para o Hall Of Fame Diecast nos EUA, Como isso aconteceu? E como foi receber esta notícia? Você tem a exata medida da importância deste prêmio?

R.: Eu fiquei muito surpreso e honrado de ser introduzido ao Hall of Fame Diecast, em uma convenção realizada em Las Vegas, Nevada.  Acho que esse prêmio é uma das maiores honras que alguém envolvido no negócio de miniaturas de carros diecast pode ter. Personalidades como Jay Leno, George Barris, Michael Zarnock, foram empossados ​​para o Hall of Fame Diecast, assim, compartilhar esta honra com eles, é inacreditável. Eu tive a oportunidade de compartilhar o evento com o meu bom amigo Michael Zarnock, que é uma autoridade mundial em Hot Wheels. Ele escreveu muitos livros e ele também estava no Guinness World of Records, para a maior coleção Hot Wheels no mundo, um cara incrível. Eu orgulhosamente coloquei o certificado do Hall of Fame Diecast em uma das principais paredes da minha casa.

Um comentário: